Acções Individuais Defensivas

Publicámos uma nova página no trabalho Saber Sobre o Saber Treinar. Inserido na Ideia de Jogo, trata-se de uma introdução às Acções Individuais Defensivas. Sendo um introdução desenvolvemos ideias gerais sobre as mesmas e identificamos, segundo a nossa perspectiva, as que integram a nossa Ideia de Jogo. A sua explicação uma a uma ficará para sub-páginas dedicadas às mesmas.

“(…) do ponto de vista da acção defensiva, por exemplo, podemos / devemos avaliar o desempenho individual na tabela (jogador perde o domínio espacial em relação ao marcador directo), na cobertura (salta na pressão quando devia manter posição), no cruzamento (perde domínio do campo visual e, consequentemente, a orientação corporal), no desarme / tempo de entrada (toma a iniciativa quando devia ter temporizado) ou posicionamento / deslocamento (devia ter acompanhado a desmarcação / não soube retirar a profundidade).”

(Miguel Quaresma, 2021)

Os princípios de jogo e a necessidade dos mesmos na resolução de uma situação de contra-ataque II. Agora em 3×3+GR e 1×1+GR. Mas também o pensamento divergente de David Neres. Exemplos do Benfica x Vizela.

Acções Individuais Ofensivas | Drible | Bergkamp turn

Publicámos uma nova página no trabalho Saber Sobre o Saber Treinar. Inserido na Ideia de Jogo, trata-se de uma Acção Individual Ofensiva, mais especificamente, um Drible: o Bergkamp turn.

“Se conhecerem alguém que jogue melhor do que ele, avisem-me”. E eu digo: Se tiver existido um jogador superior a ele em termos técnicos, convido a deixarem o nome na caixa de comentários. Bergkamp nem se destacava especialmente pelos dribles, mas era o rei da técnica, em todas as dimensões. Técnica de passe, técnica de recepção, técnica de remate, técnica de condução…tudo parecia fácil nos pés do holandês que fez alguns dos mais incríveis golos da primeira década do novo século.”
(Arsène Wenger)

 

 

Os princípios de jogo e a necessidade dos mesmos na resolução de uma situação de contra-ataque 2×2+GR

A especificidade e a Especificidade do Programa de Treino

“Romário só tinha uma tarefa defensiva”

Acções Individuais Ofensivas | Drible | Túnel de sola

Acções Individuais Ofensivas | Drible | Túnel de sola | Nuno Santos 2024

Acções Individuais Ofensivas | Drible | Roleta

Publicámos uma nova página no trabalho Saber Sobre o Saber Treinar. Inserido na Ideia de Jogo, trata-se de uma Acção Individual Ofensiva, mais especificamente, um Drible: a Roleta.

“Apesar do drible Roleta ter ficado associado ao francês Zinedine Zidane, a verdade é que já sugira no jogo muito antes da década de 90. Segundo a (Wikipedia, 2022), também conhecida como o “360, Spin, Mooresy Roulette, Roulette, Girosflin”. Associada em determinado momento ao histórico Diego Maradona, foi de facto com o francês Zinedine Zidane que se tornou mais célebre ficando mesmo como uma das suas imagens de marca. A mesma fonte acrescenta que “com tantos nomes diferentes, a origem exata desta habilidade é desconhecida. A “Marseille turn” foi popularizada na Europa pelo avançado francês Yves Mariot na década de 1970. Diego Maradona e Zinedine Zidane foram, sem dúvida, os expoentes mais notáveis da jogada, sendo também conhecida como “Maradona turn” e “Zidane turn””.”

Sub-Princípio | Travar a última linha na grande-área

Como tantas outras situações idênticas que surgem com alguma regularidade no jogo, as situações que trazemos ilustram a importância que este sub-princípio conquistou no jogo que idealizamos. E como facilmente podemos perceber, é um sub-princípio comum à Transição Defensiva e Organização Defensiva das equipas. É também através da diferenciação dos momentos que também nestas situações podemos distinguir, quando quem ataca, o realiza em sub-momento de Contra-Ataque ou em princípio de jogo de Ataque Rápido. Mas hoje o foco vai para o sub-princípio: Travar a última linha na grande área.

Para uma perspectiva mais aprofundada do tema visite a sub-página de Ideia de Jogo dedicada ao sub-princípio em questão: Travar a última linha na grande área (a publicar brevemente).

Neste artigo trazemos então dois exemplos actuais da importância do princípio, quer numa situação de Transição Defensiva, quer numa de Organização Defensiva.

Aqui, momento de Transição Defensiva, sub-momento de Recuperação defensiva, vários princípios e sub-princípios não foram garantidos. Desde logo a Contenção da progressão adversária, porque apesar de António Silva num primeiro momento procurar marcar a Contenção, o adversário com bola conduz para o espaço de Otamendi e este não se sente confortável para, enquanto recua, estar um pouco adiantado em relação à restante linha para marcar uma futura contenção no momento em que a última linha travar, e portanto, para esta não estar formada apenas numa linha, o que facilitaria a penetração adversária. Cremos que Otamendi não o faz porque não sente Cobertura defensiva à sua esquerda, e até porque outro adversário (Álvaro Djaló) ameaça a ruptura na profundidade por esse lado. Portanto, outro erro é que nenhum dos restantes jogadores da última linha garante uma maior Concentração defensiva, ou seja, fechando o espaço no corredor central garantindo proximidade e ajuda a Otamendi. Com Morato à cabeça porque há no seu corredor a ameaça referida e urge fechar o espaço entre si e o argentino.

O duelo com o portador da bola (Abel Ruiz) também poderia ser garantido por João Neves que opta por fechar o espaço ao lado de António Silva, percebendo que Aursnes ainda vinha mais atrasado e a recuperar o posicionamento defensivo. Solução igualmente válida (restaria saber o que a Ideia de jogo privilegia nessa situação) e nesse caso Otamendi garantiria contenção, Morato cobertura à esquerda, António Silva cobertura à direita. Neves alinharia-se com António Silva e Otamendi. 

Porém, para além da falta de concentração (espacial) defensiva, os outros dois grandes erros é que esta última linha deveria ter continuado a Recuar controlando a profundidade e terminar esse sub-princípio com outro: Travar a última linha na grande-área. Nada disto foi realizado, a última linha abrandou, quase travando a cerca de 10 da grande área, espaço mais do que suficiente para que perante um último passe ou a penetração de Abel Ruiz em drible permitisse espaço / tempo para finalizar com eficácia, sem que o Guarda-Redes tivesse a possibilidade de controlar essas acções perante todo esse espaço disponível. O Travar a última linha na grande-área porque caso esta recue mais do que isso e a contenção falhe, torna-se uma situação muito perigosa para eventual finalização.

Para o Benfica, felizmente que a recepção de Álvaro Djaló não foi a ideal (para dentro) não o colocando em situação óptima de finalização.

Nesta situação, em momento de Organização Defensiva, sub-momento de Impedir a Construção (porque o adversário está com duas linhas completas atrás da linha da bola), mas em princípio de jogo Bloco baixo, dada a proximidade à sua baliza, e pegando no final da situação anterior, o Tottenham entra, erradamente na nossa opinião, dentro da sua área, pela a referência individual exibida por Ben Davies, primeiro pela perseguição a Haaland e depois a Álvarez, permitindo um último passe para o interior da grande área, nas costas de todo o bloco da sua equipa e condicionando dessa forma também a acção do seu Guarda-Redes. A partir daí gerou-se superioridade atacante no interior da grande área. Aparentemente pelas reacções porque estes também não esperavam o comportamento do Galês. O que está situação dá a entender é um potencial conflito de métodos defensivos na equipa inglesa. O que a confirmar-se, se torna grave.

Seria uma alternativa válida toda a linha baixar para o interior da grande-área? Não seria o ideal, daí este Princípio defensivo. Porque nesse caso, uma maior proximidade da baliza, como referimos acima, fará crescer o potencial de finalização eficaz para o adversário caso a contenção falhe. Voltando à situação em causa, a contenção falhou mesmo várias vezes. Primeiro sobre Bernardo, depois na bola perdida no duelo com Gvardiol, depois a Haaland, e finalmente quando a bola chega a Doku, a contenção chega atrasada e já fica sobre a linha da grande-área. Nesta situação excepcional, a última linha deu dois passos atrás para garantir cobertura mas Davies estragou tudo não travando nesse novo alinhamento. Naturalmente mérito também para o City, em especial para Doku que descobriu um passe inesperado, portanto… criativo, através de túnel à contenção que era realizada por Porro ao mesmo tempo que percebia que Álvarez estaria em jogo perante a asneira de Davies.

Flexibilidade e adaptabilidade do Programa de Treino

“Os exercícios apenas são potencialmente específicos”

Guilherme Oliveira, citado por (Esteves, 2010)

Continuamos a explorar o Programa de Treino que temos vindo a desenvolver, aprofundando a flexibilidade do mesmo.

Sublinhamos que o Programa não é dirigido a nenhuma Ideia de Jogo Específica. Porém, será ele exequível para todas as Ideias? Essa foi uma das nossas preocupações e intenções, mas lançamos um verdadeiro desafio à criatividade. Será possível criar uma Ideia de Jogo que não seja operacionalizável desta forma? Caso afirmativo, por outro lado, será um óptimo tónico à evolução do trabalho realizado.

À imagem de um Microciclo ou Morfociclo padrão, no qual a preocupação seja transmitir uma Ideia de Jogo à equipa, enquadrando uma série pressupostos para que a “óptima” aquisição deva acontecer, por sua vez o Programa enquadra um ciclo mais alargado (quatro semanas), nas quais são abordadas todas as dimensões da Ideia de Jogo da equipa.

Se a Ideia de Jogo (o projecto do treinador) é o ponto de partida e o Modelo de Jogo (o jogar propriamente dito da equipa) o ponto de chegada, o Programa será um dos veículos, através dos quais podemos fazer esse trajecto. Cremos nós, e esse foi o principal objectivo na sua elaboração, com grande eficiência e eficácia.

No passado texto escrevemos o seguinte sobre o tema:

“Também procurámos que o Programa fosse, por um lado, suficientemente fechado para se conseguir um razoável controlo do processo de aquisição e repetição num plano macro, por outro, que também fosse suficientemente aberto para poder ser implementado com diferentes Ideias de Jogo, diferentes níveis competitivos e ainda diferentes escalões etários.”

Para tal, usámos a Sistematização do Jogo que desenvolvemos no passado, para definir diferentes escalas de actuação. Os momentos, os sub-momentos, os princípios, os sub-princípios e as acções individuais.

Relativamente aos momentos, temos uma sessão por semana direccionada para cada um deles. Quanto aos sub-momentos, procurámos dar maior volume aos que surgem mais vezes no jogo. Por exemplo, em relação à Transição Defensiva é facilmente perceptível que as equipas passam mais tempo na Reação à perda e menos na Defesa do contra-ataque, logo, será lógico dar maior propensão a um sub-momento que pode até evitar que a equipa não tenha que defender um contra-ataque adversário.

Em relação aos princípios, tratam-se de ideias comuns a todas as equipas. No mesmo enquadramento, Transição Defensiva, sub-momento de Reação à perda, damos o exemplo da “Pressão imediata na bola”. É algo que todas as equipas procuram. Se é para procurar recuperar imediatamente a bola ou apenas para conter, não permitindo o contra-ataque adversário e procurar garantir a reorganização defensiva da equipa, isso será território específico da Ideia de Jogo de cada treinador. Como exemplo de sub-princípio, “Referências de pressão”, ou seja, em que circunstâncias a equipa passa da contenção à pressão para recuperar a bola, ou se simplesmente não o faz nunca. Importa referir que os sub-princípios são comuns a diferentes princípios. O exemplo que acabámos de dar confere isso, pois “Referências de pressão” estará também presente noutros sub-momentos do jogo, nomeadamente nos de Organização Defensiva.

O mesmo sucede com as Acções Individuais. Neste caso, defensivas, e damos o exemplo da “Posição de base”, através da qual o defensor procura orientar-se, posicionar-se, adoptar determinada postura corporal, etc., para, da forma mais eficiente possível, passar da contenção à eventual pressão com objectivo de recuperar a bola.

Ora bem, nesta lógica, o Programa define o quando (momentos e sub-momentos do jogo) e o quê (princípios, sub-princípios e acções individuais). Contudo, não define o como e porquê, ficando esse domínio contemplado na Ideia de Jogo Específica de cada treinador.

Deste modo, o Programa também se torna ajustável a cada nível de jogo. Se, por exemplo, o nível é o da Etapa de Iniciação do Futebol de Formação, a Ideia (extremamente simples, reduzida, necessariamente aberta e ampla) e a intervenção do treinador deverão ter determinado carácter. O que não implica que não hajam conteúdos programados, tal como sucede nos programas nacionais do ensino básico. De uma forma geral, abordados de forma mais elementar e muitas vezes apenas usando um exercício / jogo simples como estímulo ao conteúdo desejado, e sem grande intervenção do treinador. Noutro exemplo, se o Programa é aplicado no Futebol de Rendimento Profissional, o detalhe, a exigência, o plano estratégico, etc., deverão estar contemplados através da Ideia de Jogo, conteúdos e da actuação do treinador em cada exercício. Mesmo que não haja intervenção do treinador no exercício. Isso deve ser deliberado e fruto de um pensamento estratégico e operativo naquele contexto específico. Não porque o nível de intervenção pressupõe isso.

Haverá sempre uma questão pertinente no nível de Rendimento. Se o Programa engloba quatro semanas, dado que uma não será suficiente para se atingir todas as dimensões do jogo da equipa na propensão desejada, então, atendendo à eventual necessidade de investimento na dimensão estratégica em função do próximo jogo, essa semana do Programa poderá não atingir em volume de forma satisfatória determinado sub-momento do jogo e / ou da forma desejada (espaço do campo onde determinados princípios se desejam trabalhar). Neste caso, a manipulação do exercício, nomeadamente na sua operacionalização, torna-se decisiva.

Não modificando conteúdos, ao longo da semana o treinador vai encontrar momentos e sub-momentos contrários aos objectivos estratégicos que persegue. Nesses momentos, pode usar o contra-exercício, ou seja, os objectivos inversos aos do Programa em determinado exercício para intervir e tornar-se o protagonista maior no foco e, possivelmente feedback, que pretende. Por exemplo, na semana C do Programa, no exercício C-3OO2B:

Os objectivos, sub-momentos da Organização Ofensiva, são a Criação e Finalização, e ainda com ligação à Reacção à perda na Transição Defensiva. O exercício é passado no meio-campo adversário.

Se, em função do próximo adversário, o treinador tem a preocupação de preparar determinado(s) princípio(s) da Organização Defensiva, sub-momento, Impedir a Criação em bloco médio ou baixo, poderá escolher este e eventualmente outro(s) exercício(s) para garantir essa intervenção. Nesta semana do programa, para além deste, surgem mais 5 exercícios em que pode atingir, ou no objectivo principal, ou no contra-exercício, este propósito. Assim, no enquadramento da equipa técnica e definição de tarefas no treino, poderá trocar o seu papel, inicialmente no objectivo principal, com outro treinador responsável pela equipa / grupo de jogadores que se encontram no objectivo inverso. Ou seja, trocar a sua intervenção para a equipa que, com maior propensão no exercício em causa, defende e transita ofensivamente no exercício. Deste modo, o programa não perde os objectivos iniciais e a estimulação sistemática de determinadas ideias. Simultaneamente o treinador encontra o espaço e o momento para dar mais ênfase a determinada preocupação e objectivo estratégico.

Estamos, e não nos cansamos de repetir, perante um processo altamente complexo. O Programa de Treino, torna-se para nós um caminho muito interessante para o treinador ter um satisfatório controlo sobre o jogo da sua equipa. No caso particular do Futebol de Rendimento, controlo sobre a dimensão da sua Ideia de Jogo e também sobre a dimensão estratégica.

“Treinar deve implicar

que a percepção cumpra sua função

não é a de memorizar, mas de percepcionar

a complexidade do jogo na complexificação.

Resultante…

De cada instante

duma e outra equipa na acção.”

(Vítor Frade, 2014)

O erro de Tsimikas e o conhecimento do jogo e liderança de Virgil van Dijk

A situação de Criação surge por duas tentativas sucessivas de intercepção falhadas pelos médios do Liverpool. Pelo menos Endo, dado o insucesso do companheiro, deveria ter garantido contenção e protegido o espaço à frente dos Defesas-Centrais. Não foi a sua decisão e abriu oportunidade para que o adversário, através de um passe vertical, ficasse em situação de ataque rápido, e Criação, perante a última linha do Liverpool. Mas não é sobre essa situação que nos desejamos focar. É para o posterior erro de Tsimikas e a liderança de van Dijk.

Perante a condução do jogador Crystal Palace a última linha do Liverpool, bem, contém, baixa e mantém-se alinhada. Podia no entanto baixar e retirar profundidade mais rapidamente para minimizar o espaço entre si o seu Guarda-Redes. Por outro lado, Quansah, o 78 do Liverpool, deveria ter deixado a contenção ao portador para van Dijk, pois era este que se posicionava no corredor central e assim ficaria com cobertura à sua direita e esquerda.

Mas o maior erro é de Tsimikas. Bem num primeiro momento, porque perante o espaço ainda existente na profundidade acompanha Odsonne, de forma a controlar a desmarcação de ruptura do jogador do Palace, até porque é um movimento pelo lado cego de van Dijk. Contudo, uma vez que o último passe não saiu, até porque a contenção foi eficaz, o grego deveria ter quebrado essa acção mais cedo e regressado rapidamente ao alinhamento com van Dijk, que era nesta situação, a referência para tal.

Tsimikas não só não o fez como tardou a perceber o que tinha que fazer, permitindo uma situação de eventual progressão, finalização, último passe ou cruzamento a Jordan Ayew e obrigando a última linha a posicionar-se já no interior da grande-área, o que possibilitou uma maior aproximação do adversário à sua baliza.

De elogiar Virgil van Dijk, pela sua interpretação e liderança na situação, que por duas vezes solicita a Tsimikas que passe para a sua frente e garanta contenção a Ayew. Podemos ir mais longe falar em liderança Específica. Porque estamos perante uma liderança táctica. E não uma qualquer. A de van Dijk, que supomos estar alinhada com a de Jürgen Klopp.

Criação | Livre Indirecto + Último passe + Criatividade

“Tinha um treinador que dava muitas indicações: “Ó Simões, faz isto assim e assado.” Mas eu não sabia fazer aquilo daquela maneira, então pegava na bola e fazia à minha maneira. E ele lá dizia: “Pronto, assim também está bem!” A criatividade é assim. Por isso é que digo que conheço muitos jogadores que em muito contribuíram para fazer treinadores, isso sim.”
António Simões, citado por (Cabral, 2016)