Tag Archive for: morfociclo

Exercício A-5TO1A [Subscrição Anual]

Publicamos um primeiro elemento do Programa de Treino. O exercício A-5TO1A. Esclarecemos que não se trata de um exercício concreto, mas de um tema numa perspectiva micro do Programa, que obedece a determinada lógica da respectiva sessão, do ciclo semanal e do programa ao nível da distribuição de conteúdos. Porém, associado a ele, publicamos também 6 ideias para exercícios concretos. Deixamos uma amostra do que ficará disponível na subscrição anual.

Deixamos alguns excertos da página do exercício A-5TO1A:

(…)

Lembrando o objetivo de base ser a recuperação, então o feedback sobre posicionamentos, decisões ou execuções deve ser nulo. Será uma potencial fonte de fadiga o que se torna o oposto do pretendido. Excepções podem ser a promoção de um clima alegre, positivo e de descontração, ou obviamente a intervenção sobre situações desviantes. Parece-nos também interessante um ou mais técnicos, em determinados momentos, integrarem esta parte do treino de forma a potenciar a coesão entre jogadores e equipa técnica. Por outro lado, a competição inerente proporcionará a necessária concentração.

“O problema não é se é lúdico. Você pode fazer os 3×3 de maneira lúdica, basta dizer «quem perder depois paga um Sumol aos outros, ou leva os outros às cavalitas, ou vai buscar as bolas …» tem que ter sempre esse lado lúdico, empenhado emocionalmente. Porque uma coisa que me transtorna é ver os jogos, sobretudo dos putos, e eu lembrar-me que vou a alguns funerais e vejo gente mais alegre que os putos a jogar, e é isso que o futebol não deve ser. O Valdano é que diz, “se a cara não ri, como podem os pés rir? !’’ É preciso sentir prazer e alegria a jogar. O facto de estar a fazer recuperação para eles deve ter sempre um carácter lúdico.”

Vítor Frade em entrevista a (Xavier Tamarit, 2013)

Cabe a cada Treinador criar de raiz, ou inspirar-se em exercícios já existentes e criar os que melhor se adequem às necessidades da sua equipa e do momento. Com sentido e articulação, integrados numa lógica horizontal e vertical de planeamento, uma impactante liderança será posteriormente decisiva na sua operacionalização para que os mesmos tenham de facto valor. Trazemos algumas ideias para este exercício. É certo que no futuro surgirão mais.

 

Exercício 154 | A-5TO1A-1 | Team-Building + Acções Individuais Ofensivas | Passe + Recepção + Cabeceamento

Exercício 155 | A-5TO1A-2 | Team-Building + Acções Individuais Ofensivas | Passe + Recepção + Cabeceamento

Exercício 156 | A-5TO1A-3 | Team-Building + Acções Individuais Ofensivas | Passe + Recepção + Cabeceamento

Exercício 157 | A-5TO1A-4 | Team-Building + Acções Individuais Ofensivas | Passe + Recepção + Cabeceamento

Exercício 158 | A-5TO1A-5 | Team-Building + Acções Individuais Ofensivas | Passe + Recepção + Cabeceamento

Exercício 159 | A-5TO1A-6 | Team-Building + Acções Individuais Ofensivas | Passe + Recepção + Cabeceamento

Exercício gratuito

Publicamos um novo exercício gratuito: “Impedir o último passe para diferentes objectivos“.

Desta vez trazemos uma adaptação de um exercício de um conhecido treinador português. O exercício original mostrou-se desde logo extremamente rico em comportamentos, porém, sentimos a necessidade de torná-lo mais específico a determinados objectivos e momentos de jogo.

Interpretando-lhe, dadas as suas condicionantes, uma grande propensão para o ataque à profundidade através do passe de ruptura para as costas da última linha da equipa que defende, foi nossa opção dirigi-lo principalmente para os momentos de Organização Defensiva, nomeadamente para a pressão permanente no portador da bolaposicionamento e alinhamento das linhas, concentração defensiva controlo da profundidade. Contudo, uma vez que o exercício reinicia-se com uma bola aleatória, procurando a articulação de sentido entre momentos de jogo, focamos também, para a equipa que não ganha essa primeira bola, a sua Transição Defensiva, particularmente o sub-momento de reacção à perda, no qual emergem os comportamentos de pressão imediata na bola fechar os espaços vitais à progressão adversária.

“É isto que faz a diferença. É perceber o momento em que a bola está sem pressão e está em condições de entrar na profundidade. Esse é que é o momento de controlar a profundidade. Porque antes disso tem de ser de redução da profundidade, tem de ser de ganho da bola, tem que ser de ataque à zona da bola para ganhar.”

Vítor Pereira (2016)

Acrescentamos que sendo um exercício rico em comportamentos, principalmente pela sua estrutura colectiva, é-lhe consequentemente conferido um nível de complexidade elevado, portanto será aconselhado no único dia do Morfociclo que poderá contemplar uma sessão de máxima exigência: a Quinta-Feira num ciclo competitivo de Domingo a Domingo. A este propósito, (Tamarit, 2013) esclarece que “trata-se de compreender que só existe uma sessão de treino de máxima exigência – Quinta-Feira, no Morfociclo Padrão do jogo de Domingo a Domingo, e que consequentemente deverá contemplar a aquisição num plano mais Macro. Nos outros dias chamados aquisitivos – Quarta-Feira e Sexta-Feira, dever-se-á contemplar a recuperação. Estes deverão incidir na melhoria individual, assim num plano mais Micro.”

” (…) aquilo que acontece é que a tua exigência baseia-se na concentração na perspectiva da organização e do grande princípio onde a complexidade solicitada ao jogador é muito maior como o número de comportamentos exigidos é superior. É onde tu, no fundo, procuras expressar a tua complexidade em termos de jogo. A complexidade total, digamos. É no fundo o dia onde fazes os treinos de grandes princípios.”

Rui Faria citado por (Sousa, 2007)