Tag Archive for: contenção

Exercício A-4TD1B

Adicionamos aos conteúdos Saber Sobre o Saber Treinar, especificamente ao Programa de Treino, a apresentação do Exercício A-4TD1B. Como referido, no Programa de Treino, o exercício Exercício A-4TD1B situa-se no primeiro Ciclo Semanal (A) dos quatro que o compõem, segunda sessão de treino (-4), objectivo de Transição Defensiva (TD) e segundo exercício da primeira parte da sessão (1B).

“Estes exercícios comportam uma elevada densidade de contracções excêntricas, incluindo, por isso, bastantes travagens, acelerações, saltos, quedas, mudanças de direcção, contactos físicos, etc. É importante referir que, apesar da definição deste regime de contracção muscular, os objectivos inerentes a cada exercício prendem-se com a sua forma de jogar. As contracções excêntricas são apenas “um meio” para superar certas dificuldades associadas ao seu jogar.”
(Alexandra Silva, 2010)

Exercício A-4TD1A

Adicionamos aos conteúdos Saber Sobre o Saber Treinar, especificamente ao Programa de Treino, a apresentação do Exercício A-4TD1A. Como referido, no Programa de Treino, o exercício Exercício A-4TD1A situa-se no primeiro Ciclo Semanal (A) dos quatro que o compõem, segunda sessão de treino (-4), objectivo de Transição Defensiva (TD) e primeiro exercício da primeira parte da sessão (1A).

“São contextos de exercitação onde estão implicados efectivos numéricos reduzidos, realizados em espaços igualmente reduzidos e que devem proporcionar elevada propensão para a ocorrência de uma gestualidade com muita excentricidade (contracções musculares excêntricas) mas sempre tendo como propósito fundamental a vivenciação de escalas menores do nosso jogar.”

(Jorge Maciel, 2011)

Sub-Princípio | Travar a última linha na grande-área

Como tantas outras situações idênticas que surgem com alguma regularidade no jogo, as situações que trazemos ilustram a importância que este sub-princípio conquistou no jogo que idealizamos. E como facilmente podemos perceber, é um sub-princípio comum à Transição Defensiva e Organização Defensiva das equipas. É também através da diferenciação dos momentos que também nestas situações podemos distinguir, quando quem ataca, o realiza em sub-momento de Contra-Ataque ou em princípio de jogo de Ataque Rápido. Mas hoje o foco vai para o sub-princípio: Travar a última linha na grande área.

Para uma perspectiva mais aprofundada do tema visite a sub-página de Ideia de Jogo dedicada ao sub-princípio em questão: Travar a última linha na grande área (a publicar brevemente).

Neste artigo trazemos então dois exemplos actuais da importância do princípio, quer numa situação de Transição Defensiva, quer numa de Organização Defensiva.

Aqui, momento de Transição Defensiva, sub-momento de Recuperação defensiva, vários princípios e sub-princípios não foram garantidos. Desde logo a Contenção da progressão adversária, porque apesar de António Silva num primeiro momento procurar marcar a Contenção, o adversário com bola conduz para o espaço de Otamendi e este não se sente confortável para, enquanto recua, estar um pouco adiantado em relação à restante linha para marcar uma futura contenção no momento em que a última linha travar, e portanto, para esta não estar formada apenas numa linha, o que facilitaria a penetração adversária. Cremos que Otamendi não o faz porque não sente Cobertura defensiva à sua esquerda, e até porque outro adversário (Álvaro Djaló) ameaça a ruptura na profundidade por esse lado. Portanto, outro erro é que nenhum dos restantes jogadores da última linha garante uma maior Concentração defensiva, ou seja, fechando o espaço no corredor central garantindo proximidade e ajuda a Otamendi. Com Morato à cabeça porque há no seu corredor a ameaça referida e urge fechar o espaço entre si e o argentino.

O duelo com o portador da bola (Abel Ruiz) também poderia ser garantido por João Neves que opta por fechar o espaço ao lado de António Silva, percebendo que Aursnes ainda vinha mais atrasado e a recuperar o posicionamento defensivo. Solução igualmente válida (restaria saber o que a Ideia de jogo privilegia nessa situação) e nesse caso Otamendi garantiria contenção, Morato cobertura à esquerda, António Silva cobertura à direita. Neves alinharia-se com António Silva e Otamendi. 

Porém, para além da falta de concentração (espacial) defensiva, os outros dois grandes erros é que esta última linha deveria ter continuado a Recuar controlando a profundidade e terminar esse sub-princípio com outro: Travar a última linha na grande-área. Nada disto foi realizado, a última linha abrandou, quase travando a cerca de 10 da grande área, espaço mais do que suficiente para que perante um último passe ou a penetração de Abel Ruiz em drible permitisse espaço / tempo para finalizar com eficácia, sem que o Guarda-Redes tivesse a possibilidade de controlar essas acções perante todo esse espaço disponível. O Travar a última linha na grande-área porque caso esta recue mais do que isso e a contenção falhe, torna-se uma situação muito perigosa para eventual finalização.

Para o Benfica, felizmente que a recepção de Álvaro Djaló não foi a ideal (para dentro) não o colocando em situação óptima de finalização.

Nesta situação, em momento de Organização Defensiva, sub-momento de Impedir a Construção (porque o adversário está com duas linhas completas atrás da linha da bola), mas em princípio de jogo Bloco baixo, dada a proximidade à sua baliza, e pegando no final da situação anterior, o Tottenham entra, erradamente na nossa opinião, dentro da sua área, pela a referência individual exibida por Ben Davies, primeiro pela perseguição a Haaland e depois a Álvarez, permitindo um último passe para o interior da grande área, nas costas de todo o bloco da sua equipa e condicionando dessa forma também a acção do seu Guarda-Redes. A partir daí gerou-se superioridade atacante no interior da grande área. Aparentemente pelas reacções porque estes também não esperavam o comportamento do Galês. O que está situação dá a entender é um potencial conflito de métodos defensivos na equipa inglesa. O que a confirmar-se, se torna grave.

Seria uma alternativa válida toda a linha baixar para o interior da grande-área? Não seria o ideal, daí este Princípio defensivo. Porque nesse caso, uma maior proximidade da baliza, como referimos acima, fará crescer o potencial de finalização eficaz para o adversário caso a contenção falhe. Voltando à situação em causa, a contenção falhou mesmo várias vezes. Primeiro sobre Bernardo, depois na bola perdida no duelo com Gvardiol, depois a Haaland, e finalmente quando a bola chega a Doku, a contenção chega atrasada e já fica sobre a linha da grande-área. Nesta situação excepcional, a última linha deu dois passos atrás para garantir cobertura mas Davies estragou tudo não travando nesse novo alinhamento. Naturalmente mérito também para o City, em especial para Doku que descobriu um passe inesperado, portanto… criativo, através de túnel à contenção que era realizada por Porro ao mesmo tempo que percebia que Álvarez estaria em jogo perante a asneira de Davies.

Exercício 139 [Subscrição Anual]

“(…) existe na mente de muitos treinadores a presunção, que qualquer exercício de treino independentemente do seu nível de especialização (que reproduza de forma mais ou menos aproximada a natureza – lógica do Jogo de Futebol) transfere sempre algo de positivo para a capacidade objectiva do jogador ou da equipa. Todavia, é preciso ter presente que a transferibilidade, isto é, a influência de um exercício sobre outro que é realizado num ambiente contextualmente diferente ou na aquisição de uma outra competência não é um fenómeno positivo por natureza.”

(Jorge Castelo, 2003)

Publicamos o exercício 139, denominado como Saída do GR após atraso em metade lateral. Este exercício encontra-se no nosso arquivo e estará disponível para subscritores.

Podendo ser um exercício realizado por vagas, possibilitando a integração de mais jogadores e assim apresentar tempos de pausa maiores e um desgaste menor, pode então, ser realizado numa fase introdutória do treino, logo após uma breve mobilização inicial. Mas não será apenas pelo desgaste que promoverá, o seu carácter introdutório. Na dimensão táctica, a menor complexidade que proporciona na acção de Saída do Jogo do Guarda-Redes em espaço e número, leva-o também a um género de experienciação da situação. Nos casos em que apenas estará disponível meio-campo para o treino nessa fase do treino, por utilização da metade contrária por outra equipa ou pelo treino específico de Guarda-Redes, se o exercício for realizado na estrita metade do campo, ele pode ainda ser realizado em duplicado na metade contrária, multiplicando-se assim o número de repetições e de experiências realizadas.

Contudo, como todos os exercícios, apresenta contras, ou desvios do jogo que poderão ser perigosos. Como referimos no passado, será sempre assim a partir do momento em que a realidade do jogo é manipulada e tudo residirá na sensibilidade do treinador para avaliar a evolução das aquisições. Neste caso, algo que nos parece logo muito importante, é a impossibilidade da equipa poder jogar nos três corredores de jogo, promovendo assim um jogo um pouco mais vertical. No entanto parece-nos interessante para compreender contextos mais micro e algumas acções individuais. A forma como é iniciado, também prevê um contexto particular, porém esse também pode ser recriado numa situação de complexidade maior.

Como abordámos num recente artigo, o exercício não obriga o Guarda-Redes a decidir pela saída curta. Obriga sim, neste caso, a equipa a uma saída aberta. Depois, tendo em conta o posicionamento e as decisões adversárias, o Guarda-Redes pode optar por realizar um primeiro passe curto, ou pela realização de um mais longo,  ou melhor, de média distância, que no caso, estará simbolizado pelo passe nas mini-balizas.

Tendo também em conta o seu carácter e organização, o exercício pode em simultâneo promover a experienciação de todas as funções envolvidas, por todos os jogadores da equipa, desenvolvendo assim a sensibilidade para o posicionamento, decisão e execução do companheiro, o que poderá levar ao desenvolvimento de comportamentos micro, mas que poderão ser decisivos na eficiência e eficácia global da acção. Isto poderá ser importante num contexto de Rendimento, mas será fundamental num de Formação. E esta é uma forma de manifestação da multilateralidade do Futebol. Ou seja, num contexto específico como o Futebol, existirá sempre, nesse universo de se potenciar a sua multilateralidade. Para muitos conhecida, ainda que de forma parcial, pela “polivalência”. Por outro lado, regressando ao contexto do Futebol de Rendimento, as restrições de tempo de treino e desgaste, levarão a que a aposta nas especialização das funções envolvidas no exercício seja uma decisão mais lógica.

Desta forma, isto leva-nos a pensar que um exercício não é destinado ao Futebol de Formação ou ao de Sénior tendo apenas em conta a sua complexidade. Essa deverá ser definida tendo em conta o nível de jogo, e para isso a idade é um indicador, mas não é decisiva. Existem equipas de Infantis a jogar um jogo mais complexo e qualitativo do que muitas equipas de séniores. O escalão para o qual um exercício se destina, deve sim, por exemplo, equacionar a sua multilateralidade ou especialização como exemplificámos com o presente exercício, no parágrafo anterior.

Exercício 139 | Saída do GR após atraso em metade lateral

Um golo rico para análise

O golo que trazemos, será identificado por muitos como consequência de um contra-ataque. Compreensível para quem não assistiu ao início da situação, um lançamento lateral para o Manchester United, como comprova uma das repetições. Ou seja, não partiu de uma recuperação de bola, logo não estamos perante um contra-ataque. Estamos sim, na presença de uma situação de ataque rápido, que consiste em acelerar acções de progressão, portanto acções na sua maioria de sentido vertical do campo, perante espaço(s) existente(s). A confusão entre contra-ataque e ataque-rápido é um clássico na análise dos jogos, mas não é o assunto que trazemos hoje.

Neste caso a situação evidencia uma fraca organização defensiva de quem está a defender um lançamento lateral. Não há uma cobertura defensiva adequada ao defensor que pressiona a linha de passe para Wayne Rooney. Depois, a má abordagem do defensor e a qualidade individual do inglês apesar do seu desenquadramento com a baliza adversária, resolvem o 1×1, ficando este com espaço para conduzir e progredir.

Num primeiro momento, sem percebermos o início da situação, chamou-nos a atenção a decisão de Rooney após o seu enquadramento com a baliza adversária. O inglês encontra-se sem apoios próximos, percebe que um defensor vai recuperar a contenção antes que consiga fixar um dos três defensores da última linha adversária, o que tornará mais difícil a possibilidade de ser ele a comandar o ataque. Assim, dificilmente conseguirá conduzir para o corredor central, no qual como em situação de contra-ataque, deverá ter mais opções para resolver a situação. Mas Rooney, num passe de alguma dificuldade dada a distância e contexto, com um risco elevado de atrasar a progressão, consegue colocar a bola em Ibrahimovic para que este lhe dê continuidade no corredor central, com mais soluções. Depois o inglês desmarca-se entre a última linha, e sendo certo que beneficia da queda de um adversário, garante porém uma solução de último passe entre a última linha adversária, que acaba mesmo por ser a opção do sueco para resolver a situação. Este, pelo meio, e também com muita qualidade, fixa um dos defensores atraindo ainda atenção das suas coberturas defensivas, simplificando uma situação de inferioridade numérica, mas que beneficiava de espaço. Em última análise do momento ofensivo, Ibrahimovic e os outros dois companheiros nesta situação, mostram uma vez mais que o número – as relações numéricas – são apenas uma dimensão do todo complexo que é o jogo, sendo o espaço e o tempo outras dimensões, também elas de grande influência nas decisões tomadas.

Mas por outro lado, podemos analisar o comportamento defensivo do Feyenoord. Já o fizemos em relação ao início da situação. Depois, no princípio que nós chamamos a “defesa do contra-ataque”, mas que aqui, pela situação identificada antes se transforma numa “defesa do ataque-rápido”, se a equipa holandesa revela uma contenção interessante no início, não precipitando a tentativa de intercepção da bola e mantendo um posicionamento zonal inicial de GR+2+1, na sequência do movimento de Mata acaba por revelar referências individuais que levam a um desposicionamento dessa estrutura. Igualmente grave, não pára a contenção grupal no local ideal: a linha da grande área. Defendemos que aí, perante o adversário com bola no corredor central, deverá estar o limite referência para as coberturas defensiva e restante última linha, não devendo nenhum defensor entrar na grande área, obrigado o atacante com bola a tomar uma decisão. Isto porque caso contrário permitirá uma maior aproximação do atacante com bola à baliza e possibilitará um passe para outro atacante posicionado no interior da grande-área. Caso contrário, todos os atacantes têm de se posicionar fora da mesma, tirando os defensores também partido da regra do fora-de-jogo. Finalmente, o interior da grande área deverá ser espaço do Guarda-Redes, que no fundo se constituirá como uma derradeira cobertura defensiva em situação de último passe.

Esta análise leva-nos a outra questão. A análise da acção de uma equipa e da “contra-acção” do adversário. Este termo provém de outro problema deste mesmo plano, o exercício e o contra-exercício. Se num exercício competitivo de treino, o objectivo do mesmo estará no comportamento de um grupo / equipa, do outro lado encontra-se o outro grupo / equipa no oposto momento do jogo, e com o qual a equipa técnica também se deverá preocupar, mesmo que pretenda o seu erro. Aliás, mais ainda se pretende esse mesmo erro e portanto se o exercício dá propensão a que isso aconteça. Em qualquer situação do jogo coloca-se o mesmo problema, que desagua na eterna questão: onde termina o mérito do ataque e começa o demérito de quem defende. É sem dúvida um dos maiores desafios que o jogo levanta aos técnicos. Uma possível resposta, poderá estar na identificação de eventuais erros de Organização Defensiva no Modelo de Jogo proposto. Caso estes não sejam fáceis de identificar, deverá ser dado mérito ao ataque. Mas neste caso, é óbvio que estamos perante uma avaliação muito dependente do contexto e da riqueza das ideias tácticas de cada treinador.

Na situação anterior, há sem dúvida mérito ofensivo do Manchester United, contudo são para nós facilmente identificáveis erros defensivos do Feyenoord, que apresentando outros comportamentos tornaria muito mais difícil a resolução ofensiva da situação aos ingleses.

Tag Archive for: contenção