Tag Archive for: passe

Esconder a acção táctica. David Simão explica a qualidade.

Há algumas semanas atrás publicámos o sub-tema na área Ideia de Jogo proposta que se propõe como uma qualidade da Acção táctica: o Esconder a acção táctica. No passado dia 27 de Maio, David Simão e Pedro Bouças analisaram uma acção de passe do jogador português que incluiu esta qualidade.

“Identidade não é jogar sempre com os nossos argumentos expostos.”

(Silveira Ramos, 2017)

Exercício A-3OO1A

Adicionamos aos conteúdos Saber Sobre o Saber Treinar, especificamente ao Programa de Treino, a apresentação do Exercício A-3OO1A. Como referido, no Programa de Treino, o exercício Exercício A-3OO1A situa-se no primeiro Ciclo Semanal (A) dos quatro que o compõem, terceira sessão de treino (-3), objectivo de Organização Ofensiva (OO), primeira parte da sessão (1) e exercício (A) dessa parte. Exercício que tem por objectivo específico as Acções Individuais Ofensivas, em particular, o Passe, a Recepção e a Desmarcação.

“Não é pensar. É fazer. E ao fazer, eu encontro o meu caminho. Eu usava a parede de tijolo ao redor da entrada do prédio. Você vê aquela linha de tijolos verticais, como uma trave? Na maioria das vezes eu estava sozinho, apenas chutando a bola contra a parede, observando como ela ressaltava, como voltava, apenas controlando-a. Eu achava isso tão interessante! Tentando de diferentes maneiras: primeiro com um pé, depois com o outro, procurando coisas novas: parte interna do pé, parte externa do pé, chuto com o peito do pé… criando um tipo de ritmo, acelerando, desacelerando. Às vezes eu fazia mira a um tijolo específico, ou à trave. Pé esquerdo, pé direito, fazendo a bola girar. Repetidas vezes. Era apenas divertido. Eu estava aproveitando. Interessava-me. Talvez outras pessoas não se incomodassem. Talvez não achassem interessante. Mas eu estava fascinado. Muito mais tarde, você poderia dar um passe num jogo e talvez olhar para trás e perceber: “Ah, espera aí, eu sei de onde vem esse toque.” Mas quando criança você está apenas chutando uma bola contra a parede. Você não está pensando num passe. Apenas está apreciando a mecânica disso, o prazer de fazê-lo.”

Dennis Bergkamp em (David Winner, 2013)

Criatividade III

“É evidente que a criatividade que um indivíduo como central tem que revelar é diversa daquela que tem que revelar um gajo que joga num sector mais avançado, mas é absolutamente imprescindível que dentro dos contextos surja, a originalidade na situação ou na solução. E essa é da responsabilidade de quem?! Dos jogadores, mas só se eles forem criados e treinados a ter que pensar, a ter que decidir, a ter que sentir, a tomada de decisão tem que ser deles. A tomada de decisão é em função de um propósito geral, portanto da intenção prévia que eles sabem que existe, mas no agir tendo em conta as circunstâncias. Resolvem melhor ou pior em função da habituação que têm e da capacidade de poder decidir, isto é, escolher… portanto contempla, é absolutamente indispensável que se promova. Agora como diria o Valdano “não há criatividade sem ordem”.”

(Vítor Frade, 2013)

Passe

“(…) não há diversão igual aquela que se retira quando se consegue jogar de olhos fechados. Aquela que sentimos quando as coisas saem com um entrosamento tal que deixamos o adversário só a cheirar a bola, e isso só se consegue quando sabendo onde estão e onde vão aparecer os 11 colegas que estão no campo, vamos circulando a bola e desmarcando”.

(Pedro Bouças, 2011)

Último passe

“Deixa pronto para os demais
Próximo da baliza adversária,
é talento p’ros geniais
quer dentro quer fora d’área.”
(Frade, 2014)

Criatividade

“(…) ao tentar desmistificar o conceito de criatividade apenas como um malabarismo ou um lance descontextualizado, não se pretendeu desvalorizar tais situações. É notório que a magia do Futebol às vezes encontra-se nessas ocasiões, mas para tal ficar esplêndida, é necessário uma criatividade colectiva, em que todos (jogadores) estejam ligados ao mesmo cerne. Se conseguir-se interligar a criatividade individual com a coletiva e entender a interação entre ambas, certamente conseguirá se entender a complexidade inerente à expressão criatividade.”

(Vítor Frade, 2007), citado por (Casarin, 2011)

Dois passes que fazem a diferença… táctica

Dois passes que fazem a diferença... táctica - Cruzamento de Eliseu

Trazemos duas situações que têm em comum uma acção técnica: o passe. Mas será que devemos descrever estas acções como técnicas? Não se entendermos a técnica de forma analítica, idealizando uma qualidade que pode viver isolada das demais, materializada naquela visão tradicional do jogador “bom executante”. O passe, demasiadas vezes associado exclusivamente ao domínio da execução, é, como todas as outras acções do jogo, influenciado decisivamente por outras qualidades. Podemos pensar no passe do ponto de vista biomecânico pela forma como o jogador contacta fisicamente com a bola, imprimindo-lhe trajectória e força. Podemos também pensar no passe do ponto de vista psicológico. Quando Pablo Aimar assistiu de “letra” David Suazo, Ronaldinho Gaúcho assistiu de costas Giuly (sim, um passe com as costas) ou Ibrahimovic de calcanhar assistiu Lavezzi, revelou em todos eles um estado emocional acima do normal. Podemos ainda pensar no passe do ponto de vista social, e na comunicação que envolve. Não a comunicação tradicional, a qual Vítor Frade descreve de forma curiosa:

“”Pede, pede…

Pede a bola”,

é gritaria que fede

inibindo até quem tem tola.”

(Frade, 2014)

Mas de uma comunicação, talvez a mais específica do jogo de Futebol. Isto porque estamos perante uma acção de jogo que envolve uma relação entre emissor e receptor, preferencialmente não verbal. Por um lado, num primeiro momento numa comunicação corporal que transmite a disponibilidade para um jogador receber a bola do seu companheiro, por outro e num segundo momento, na bola enquanto mensagem, sendo o seu conteúdo as características do passe, o seu destino, e por vezes até a forma de resolver o problema seguinte, quando falamos do passe orientado, daquele que sugere, ou seja, aquele que indica uma decisão a tomar a seguir. Porém, o que determina a qualidade do passe é a interacção de tudo isto e muito mais, que se constitui numa (supra)dimensão táctica do passe, expressa pela decisão e execução a si acopladas e respectivo sucesso.

Assim, nas duas situações em causa destacamos dois passes, ambos decisivos no seu desfecho. Passes de características diferentes mas determinados por uma qualidade fundamental, a consciência no jogo, portanto a dimensão táctica.

O primeiro, em sub-momento ofensivo de construção, mostrando uma prévia inteligência colectiva na procura do espaço de progressão, e depois pela forma vertical como rompe o bloco adversário e coloca imediatamente a equipa numa situação favorável de criação.

“Tem que se jogar à largura, com paciência, até se encontrar o espaço entre-linhas, o espaço para meter o passe vertical e para acelerar o jogo.”

Vítor Pereira

O segundo, no sub-momento ofensivo de criação, caindo na muitas vezes “zona nublosa” do cruzamento, no fundo um passe horizontal para finalização, no qual a leitura da situação, como a imagem que ilustra este artigo mostra, foi decisiva. Leitura tantas vezes desvalorizada nos cruzamentos, até pelo jogador que, através dela, aqui obtém sucesso.

Tag Archive for: passe