“Devo fazer tudo o que está ao meu alcance para mudar o lugar onde estou para melhor. Para mim, em variadíssimas situações, é importante que as pessoas que me rodeiam estejam bem. Eu estou sempre bem. Desejo verdadeiramente fazer um trabalho que torne o Mundo melhor. Infelizmente, esse desejo não significa que seja bem-sucedido na tarefa de aceitar que há coisas – como as doenças ou a dor – que não posso mudar”.

(Jürgen Klopp, 2009)

O treinador alemão Jürgen Klopp em (UEFA.com, 2012), descreve a propósito do seu comportamento altamente emocional durante os jogos que “nada disso é para benefício dos outros. Este é o verdadeiro Jürgen Klopp e talvez não seja sempre a melhor forma de ser, mas penso que uma equipa apenas pode actuar intensamente se for acompanhada de igual modo de fora. Não se tem uma grande influência de fora, mas aquilo que se procura durante a semana é ter um desempenho especial no fim-de-semana e não posso manter-me afastado disso, seja de forma negativa ou positiva. Pode haver uma melhor forma de treinar, mas pelo menos o risco de ter uma úlcera estomacal não é tão alto, porque não mantenho tudo dentro de mim”. O autor (Simão, 2013) cita Klopp, solicitando que “olhem para mim durante os jogos… eu festejo quando pressionamos, quando recuperamos a posse de bola ou quando ganhamos um lançamento lateral. E digo yesssss!”