Na passada semana demos destaque ao Shakhtar Donetsk e ao trabalho desenvolvido por Paulo Fonseca e a sua equipa técnica. Pelo apuramento para os oitavos de final da Liga dos Campeões, mas principalmente pela qualidade de jogo apresentada. Ainda por cima quando disputava esse apuramento contra duas das actuais melhores equipas da Europa. É notória e notável a qualidade ofensiva da equipa Ucraniana, que esteve em grande destaque no derradeiro jogo contra o Manchester City. Porém, como sublinhámos nas palavras de Vítor Frade, no futebol actual, é fundamental a preocupação por um equilíbrio entre os vários momentos do jogo. Apenas dessa forma uma equipa consegue ser consistente e apresentar qualidade de forma regular.

Jorge Maciel, em 2011, referia um aspecto muito importante, “que passa pela coerência e pelo respeito pela inteireza inquebrantável que o jogar deve manifestar de modo a que se expresse de forma fluída, dinâmica, ou seja que revele ao nível da matriz conceptual articulação de sentido com um determinado sentido”. Desde modo, Maciel defendia que uma sua equipa “deve evidenciar um padrão zonal pressionante, capaz de provocar erros nos adversários forçando desse modo a perda da posse de bola. Não nos devemos acomodar à ideia da necessidade de defender, de um modo “extremista”, a equipa deve ter aversão a defender, ou seja deve ter repulsa relativamente à necessidade de defender, mas simultaneamente e paradoxalmente tem de se sentir confortável quando o tem que fazer. Para isso tem de defender com qualidade para que os momentos em que se vê obrigada a defender sejam curtos, porque induzimos o adversário a errar, mas claro sempre com critério e organização colectiva, respeitando uma organização posicional que melhor nos permita atacar e estar compactos quando temos de defender, o que passa por um escalonamento em várias linhas tanto em profundidade como em largura. Além disso, a equipa tem de reconhecer indicadores de pressão saber atrair e direccionar os adversários para pressionar com êxito, reduzir o campo sabendo nessa intenção jogar com o fora-de-jogo, o que é diferente de jogar em fora-de-jogo. Fundamentalmente, queremos “mandar sempre”, mesmo quando não temos bola.”

Se tal já sucedia no Braga de Paulo Fonseca, também no Shakhtar os momentos defensivos são de grande qualidade e estão ao nível dos ofensivos. Tanto, que o realizador do jogo focou a “dança” da última linha dos ucranianos em determinado momento da partida.

Em 2014, Matías Manna, a propósito do Bayern de Munique de Guardiola, explicava que este assumia “riscos como ninguém. Boateng mantém a linha, sempre atento ao brasileiro. Na arte da defesa em linha, as equipas de futebol, que são corajosas em todos os momentos do jogo, também podem dar um bom espectáculo. Quando uma equipa adversária faz um passe para trás, Guardiola gesticula para a sua equipa subir. Quando o adversário que tem a bola e está pressionado pelos Avançados e Médios do Bayern, a Defesa sobe. Quando o adversário procura jogar longo, os Defesas-Centrais esperam, aguardam, e passam para a frente dos Avançados adversários, deixando-os fora-de-jogo. Não há espaço. Gestão do espaço é um conceito de Cruyff. Outro conceito para os Alemães que decidiram sempre fazer outra coisa na Defesa. Contra-cultural ou contra-natural. Guardiola decidiu extremar comportamentos para não dar espaço aos seus adversários. Tudo sob o olhar temeroso de Beckenbauer, acostumado a outros hábitos (…)”. O autor (Bouças, 2017) reforça que “encurtar o espaço entre sectores, aumentando o espaço que fica nas costas da última linha requer uma concentração mental permanente, e um jogo de orientação corporal eficiente, para que se possa baixar rapidamente sem perder metros para os avançados que se movem para receber entre defesas e guarda redes.”

“É isto que faz a diferença. É perceber o momento em que a bola está sem pressão e está em condições de entrar na profundidade. Esse é que é o momento de controlar a profundidade. Porque antes disso tem de ser de redução da profundidade, tem de ser de ganho da bola, tem que ser de ataque à zona da bola para ganhar.”

Vítor Pereira, 2016